a

Aperiri vivendum has in. Eu fabellas deseruisse mea, hinc solum tractatos vim ad, ut quem voluptua nam. Ei graeci oblique perci.

Recent Posts

    Sorry, no posts matched your criteria.

Nutricionista em São Paulo - SP

Tudo o que você precisa saber sobre introdução alimentar

Tudo o que você precisa saber sobre introdução alimentar

Uma fase linda, cheia de surpresas para a mamãe e para o bebê. A introdução alimentar traz consigo muitas dúvidas e receios, “o que dar para ele?”, “papinha ou cortadinho?”, “isso pode?”. É uma fase trabalhosa, porém, muito importante para o desenvolvimento do bebê.

mamãe-e-filhos-parto-infantil

O Manual de Orientação do Departamento de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria de 2012, recomenda que alimentação complementar comece aos 6 meses de idade do bebê, essa recomendação vale tanto para os bebês que mamam no peito quanto para os que tomam fórmula. Isso porque, primeiramente, o intestino do bebê ainda é muito imaturo, ele é o órgão responsável pela digestão dos alimentos e faz o primeiro “filtro”, excluindo as substâncias potencialmente perigosas e permitindo os nutrientes. Nos primeiros meses, esse sistema é completamente imaturo. Entre os meses quarto e sexto, ocorre um processo de desenvolvimento no revestimento interno do intestino, esse processo é chamado fechamento, onde o revestimento se torna mais seletivo sobre o que pode ou não passar.  A partir do sexto mês de idade do bebê, esse órgão estará mais desenvolvido, sendo capaz de filtrar os alérgenos mais ofensivos.

Além disso, nos primeiros quatro meses, a língua tem um reflexo de propulsão, é natural e serve para proteger os bebês contra engasgo. No momento em que qualquer substância incomum é sentida na língua, ela empurra de forma automática para fora da boca. Esse reflexo irá diminuir gradativamente. Nessa fase a língua e o mecanismo de engolir podem não estar prontos para funcionar juntos, pois o bebê ainda não tem controle da mastigação e deglutição, ou seja, mastigar e engolir ainda não é uma tarefa fácil, isso por que o mecanismo de engolir do bebê ainda trabalha sugando e não mastigando. Essa habilidade é desenvolvida à partir dos 6 meses.

No início ofereça os alimentos de forma lenta e gradativa, não force o bebê à comer nem crie situações estressantes, isso pode prejudicar o interesse dele pela comida. É natural que o bebê estranhe ou não queira, não saiba como agir, é tudo completamente novo para ele.

Escolha um horário da manhã e passe a oferecer uma fruta amassada. Faça isso diariamente em um horário aproximado. Persista a fazer isso mesmo que ele recuse, vá mudando a escolha da fruta, mas volte a oferecer aquelas que ele recusou em outro momento.

Baby nutrition

Após uma semana, comece a oferecer o almoço, montando um pratinho com um componente de cada grupo alimentar, carne/ovos, verduras, legumes, raízes, cereais e leguminosas. Comece com uma colher de sopa de cada, o aumento deve ser gradativo. As leguminosas (feijão, lentilha, grão de bico, etc.) devem ficar de molho por doze horas antes do cozimento, para amenizar a fermentação e diminuir as chances de formação de muitos gases, que pode causar muito desconforto para o bebê. A carne deve ser muito bem cozida e triturada.

Quando o bebê completar 7 meses, mantenha as ofertas anteriores e acrescente uma fruta no período da tarde. Após uma semana pode começar a ofertar o jantar, seguindo o mesmo padrão do almoço.

É uma fase nova para ele, deixe-o explorar, com o tempo, ofereça alguns alimentos nas mãozinhas deles e os deixem descobrir as texturas. Fique sempre por perto, engasgar faz parte desse momento de desenvolvimento e adaptação, fique sempre ao lado do bebê enquanto ele come.

Meu bebê não quer comer, e agora?

Mais comum do que se imagina, a recusa alimentar preocupa muitas mamães. O que precisamos entender é que essa fase é uma completa novidade para o bebê, que estava acostumado com o sabor e textura líquida do leite. Ele irá conhecer novos sabores, texturas e temperaturas.

Se o seu bebê não aceita novos alimentos, primeiramente, mantenha a calma! O desenvolvimento do bebê é repleto de fases, essa também irá passar. O seu filho não é o bebê da vizinha, estenda que cada um tem seu tempo. Faça dessa nova rotina um momento mais leve o quanto puder, nos horários em que ele sente fome. Incentive seu bebê a comer, acredite, ele entende, apesar de ser só um bebê, ele percebe tudo, então não faça desse momento um fardo para nenhum de vocês. O deixe descobrir e conhecer o alimento. Em todas as oportunidades, coloque-o para comer junto com toda a família.

Sobre os doces

É natural que o ser humano goste do sabor adocicado, o próprio leite materno tem esse sabor. Essa é a hora de fazê-lo conhecer outros sabores, o amargo, o azedo e o ácido. Além disso, as frutas já são adocicadas naturalmente. Saiba que o açúcar é uma caloria vazia, não oferece nutrientes, oferece-lo ao seu bebê só irá contribuir para maus hábitos alimentares, pois esse tipo de alimento, adoçado, possui muita influência no paladar, pode viciá-lo. Quanto mais oferecer alimentos adoçados ao seu bebê, mais difícil será que ele aceite o natural, pois ele achará muito melhor o adoçado.

Suplementação

É recomendado pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) que haja suplementação de vitamina D a partir da primeira semana de vida do bebê, até os dois anos de idade. O ferro necessita de suplementação dos seis meses até os dois anos. Os bebês que se alimentam com fórmulas precisam de avaliação individual em relação a essas suplementações.

À procura de Nutrição Infantil na Cidade de São Paulo? Fale com a Carol Faria Nutricionista.

 

Post a Comment

Open chat